BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

O NEGUINHO III

O filho de dona Lolita achava que me assustaria com estado físico no qual ela estava há algum tempo, talvez anos, não sei direito, pois faziam-se alguns anos que não nos víamos, desde nosso último contato, quando me mostrou seu maior segredo, o segredo de uma feiticeira velha e antiga, que sabia como funciona o espírito da natureza, as forças ocultas que governam a mata, e ela era das melhores nisso. por isso, eu a admirava, e tinha ido responder o seu pedido de ajuda.

Eu disse ao seu filho, claro depois dar uma gargalhada, que sabia como ela se encontrava e qual o motivo de ter falado meu nome durante uma semana, isso mostra o quanto ela estava fraca fisicamente, pois demorou sete dias para que conseguisse achar meu espírito, e contar o que estava acontecendo com ela, e o que eu precisaria fazer para que partisse em paz.

Eu sabia que não podia curá-la, nem mesmo se me fosse permitido fazê-lo, pois ela queria ir embora, e também precisava que seu espírito finalmente descansasse. O filho de dona Lolita, exclamou entre um sorriso assustado, que isso só podia ser coisa de nós dois mesmo, pois a gente era igual, e que tinha medo de nós duas. Eu gargalhei novamente, e disse-lhe com outra gargalhada, para que deixasse de ser besta, pois eu estava ali para ajudá´la, não para assustar ninguém.

Entrei pelo portão de dona Lolita, que ainda era de umas tábuas velhas, que já estavam até meio apodrecidas, e caminhei por entre as plantas, que ficavam do lado esquerdo do quintal, e toquei em alguns cravos lindos que ela tinha, os quais eu já havia roubado muitos, aliás fiz meu jardim naquela casa em frente a casa de dona Lolita, só roubando planta dela, até o dia que levei uma surra da minha mãe, e nunca mais roubei planta no jardim da dona Lolita. Mas, o que realmente eu roubei dela, minha mãe não pode me dar uma surra por isso. Quando cheguei em sua cozinha, senti que ela pôde respirar aliviada, meus passos subindo a escada indicavam-lhe descanso e sossego, até que meus olhos viram como ela estava, e nesse momento eu comecei já a chorar.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers