BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

quarta-feira, 13 de julho de 2016

SEU SABAZINHO III

Eu ouvi as histórias de Dona Maria sobre visagens durante quase quatro horas, até que assustei com minha mãe me chamando, claro, aos berros, pois eu sempre demorava demais para responder quando era chamada, e quando respondia, ela já estava furiosa comigo. Passei novamente pelo buraco da cerca que dividia nosso terreiro do dela, e corri em direção a minha mãe que estava impaciente com as duas mãos na  cintura em pé na porta de trás da casa.

Naquela tarde eu não pensei em outra coisa a não ser na conversa que tive com Dona Maria, tudo fervilhava nos meus pensamentos, principalmente a aparição do cavalo branco que aparecia em noite de lua cheia, relinchando enquanto batia suas patas dianteiras no ar. Mas, para eu ver isso, eu deveria esperar uma noite de lua cheia, e já não via a hora para que isso tudo pudesse acontecer, mas ainda faltavam uns dias para que uma lua cheia chegasse.

No outro dia, eu fui novamente conversar mais um pouco com Dona Maria, que já estava me esperando, sentada em um tronco de madeira que ficava perto de pilão de itaúba preta, e assim que coloquei minha cabeça para dentro do seu quintal, ela já gritou mando-me entrar. Sentei-me novamente perto de sua saia, e ela me deu uns pedaços de beijus de mandioca brava, chamado beiju-d'água, com uma xícara de café.

Ela então começou a me contar tudo o que sabia sobre as visagens, pois tinha vindo do interiorzão do Amazonas, num lugar chamado  Uaicurapa, mas não as partes onde tem praias maravilhosas, mas a parte que fica no final desse rio, lugar que levava dois dias de viagem para se chegar de barco, de lá, eles desciam numa comunidade, e depois remavam mais um dia inteiro para poder chegar em sua casa. Segundo Dona Maria, dava até preguiça quando era necessário ir a Parintins, pois era uma viagem de pelo menos seis dias, fora que dois deles era remando sem parar, e caboclo não gosta de parar de remar, pra poder chegar mais rápido, mas aquilo era muito cansativo, segundo Dona Maria.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers