BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

sábado, 25 de junho de 2016

O RIACHO DAS SANGUESSUGAS GIGANTES

Encontrar um riacho quando se está perdido e andando há muito tempo dentro da mata, não é  coisa pra se alegrar, pelo contrário, é nessa hora que o caboclo deve ficar de olho bem aberto, principalmente quando se tem que atravessar o riacho para seguir em frente, pois um riacho no meio de uma mata fechada, é lugar perfeito para os bichos mais ferozes e peçonhentos desses lugares isolados e perigosos.

Certa vez, enquanto atravessávamos um riacho que não tinha como contorná-lo, depois de termos visto que não havia puraqué, decidimos atravessá-lo. Não era muito largo, devia medir uns quatro metros de largura, e estava cheio de folhas podres no fundo, o que fazia com tivéssemos mais cuidado ainda, pois poderia ter arraia, e das mais venenosas, que com uma picada ela faz o caboclo gritar e rolar no chão de dor durante uns dias.

O Herculano, filho do seu Jabuti, estava conosco, e também era ele que nos guiava, junto com sua irmã, a Bita, uma cuantãe terrível e destemida, conduziam-nos pelo meio daquela mata. Estávamos andando atrás de várias vacas leiteiras que haviam fugido durante a noite do curral. Entramos dentro da mata que ficava atras do campo, e já tínhamos andado mais de 10 km, e já estávamos saindo no Paraná do São Francisco, e teríamos que dar a volta pela beirada do rio, mas ficaria muito mais longe para voltarmos, então, a Bita e o Herculano disseram que era melhor seguirmos novamente pelo meio da mata, para não passarmos pelo lamaçal que tinha na restinga que seguia pela beirada do Parana do Moura.

A lama de areia é muito pesada, e gasta-se muito mais energia, e também muito mais tempo para se andar por esse lamaçal. E o mais perigoso, é que nessas restingas de areia, é sempre possível de ter puraqué, e seria a última coisa que precisaríamos encontrar naquele dia. Eu não estava com medo, mas estava assustada com aqueles charcos que estávamos andando e atravessando, mas como os curumins do seu Jabuti eram corajosos, nós também estávamos com coragem para seguir em frente junto com eles.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers