BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

quarta-feira, 29 de junho de 2016

O PUXIRUM DA FARINHA

O roçado já estava maduro, as mandiocas já haviam crescido bastante para serem arrancadas, e seu Bené anunciou um puxirum para capinar e limpar todo o raçado por debaixo dos pés de maniva, para poder se começar a arrancar as mandiocas para começar a época da fazeção de farinha, evento que todos os caboclos da redondeza eram convidados boca a boca por todos os caboclos que iam se encontrando nos rios, e assim, todos sabiam que seu Bené iria começar a arrancar as mandiocas do seu roçado para fazer o pão de cada dia da mesa dos caboclos, a farinha amarela e de bago grosso.

Todos iriam responder ao convite para participar do puxirum do seu Bené, e assim foi. todos os caboclos vieram ajudar, e no dia marcado, lá estava aquele monte de canoas chegando no porto de casa. Minha mãe já estava desde as quatro horas da madrugada fazendo os beijus de tapioca e preparando o café, como era época de tucumã, nós também formos acordados umas cinco horas para descascar um monte de tucumãs pra tomarmos café antes de irmos para o roçado.

O roçado do seu Bené,como o de todo caboclo daquela região, ficava longe de casa, e teríamos que remar umas duas horas até chegarmos lá, e mesmo assim, ainda caminharíamos um bom bocado, ate realmente chegarmos no roçado, que ficava no final da Cabeceira Grande, onde morava dona Binhí, na mata atrás de sua casa, um lugar de difícil acesso, e de mata braba e hostil, onde todos deveriam ficar de olhos bem abertos, pois lá, as onças podem vir caçar bem pertinho da gente, e talvez, se algum caboclo besta achar que está seguro, pode ser pego pelas presas de uma onça pintada, o que por lá tem demais.

Mas o bom de um puxirum é que é muita gente reunida para ajudar, e tudo fica muito divertido, que a gente até esquece que terá um trabalhão para arrancar tanta mandioca, e depois ainda torrar toda aquela quantidade de farinha. Como dona Raimunda, a esposa do seu Jaboti, era famosa por sua farinha amarelinha e de bago grosso, minha mãe a convidou, junto com sua família, para nos ajudarem a torrar a farinha meio a meio, ou seja, de tudo que fosse feito, seria dividido entre nossa família e a família de seu Jaboti.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers