BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

segunda-feira, 20 de junho de 2016

A VOVÓ DO ACABA MUNDO IV

O jovem anjo estendeu novamente sua primeira asa que havia nascido para o céu, e a segunda asa agitou-se dentro do invólucro que a envolvia, e quando sua ponta o rompeu, e ela ia nascer, mas uma garra enorme o pegou e arrastou para fora do castelo, quebrando a janela e a parede do castelo, onde o jovem anjo iria nascer, mas que agora havia sido arrancado para fora do castelo por uma garra enorme, que quebrou suas duas asas de uma só vez, e o jovem anjo gritou de dor e angustia.

Meu espírito imediatamente saiu para fora do castelo, e quando cheguei do lado de fora, vi que o que tinha agarrado o jovem anjo e quebrado suas asas, era um dragão enorme mais ainda jovem para sua espécie de espírito, e o segui até um calabouço enorme, que ficava por debaixo da vila inteira, e vi quando o jovem dragão jogou o corpo daquele jovem anjo dentro do calabouço, em cima de um monte de outros corpos que já estavam completamente apodrecidos e fediam muito, e voou para além das nuvens batendo suas asas com grande poder.

Meu espírito vagou por cima de todos aqueles corpos apodrecidos, mas  não havia nenhum com vida, todos já estavam se decompondo, e já fediam muito. De repente eu encontrei o jovem anjo se debatendo sobre os corpo apodrecidos, e quando me viu começou a gritar e se debater mais ainda, então vi que ele já estava louco, e naquele lugar a loucura já é a condenação da morte, então tive que me afastar o mais rápido possível, pois sabia que ali, com certeza era o calabouço de uma grande castelo, e que seu príncipe era terrível e impiedoso, e também me devoraria se eu continuasse ali.

Deixe o jovem anjo para trás e saí para fora do calabouço, enquanto ouvia um grande estrondoso rosnado, que estremeceu toda as pilastras que seguravam o teto daquele calabouço, e não era um rosnado que eu já tivesse ouvido ou visto quem poderia fazer aquele barulho ensurdecedor, e que meteria medo e desespero em qualquer um que o ouvisse. Já do lado de fora, eu avistei duas casas de Deus que estavam com suas portas trancadas para o povo daquela vila, e elas não se abriam para que o povo entrasse e pedisse socorro. Então, decidi ir bater nos portões das duas casas de Deus, e perguntar se eles poderiam me ajudar.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers