BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

sexta-feira, 24 de junho de 2016

A ARANHA SURUCUCU

Poucos bichos peçonhentos metem medo em caboclo, a aranha surucucu é um deles. Ela leva o segundo nome de uma das cobras peçonhentas mais venenosas, exatamente por duas coisas, as suas pintas que se parecem com a da cobra, e seu veneno letal, que quando injetado no corpo do caboclo, matá-lhe em menos de quatro horas, e ali no Paraná do Moura, é região adorada por essas aranhas enormes, que chegam a medir quase meio metro de tamanho.

Um dia quando estávamos tentando tirar um cachorro da boca de uma sucuriju, também tivemos o desprazer de sermos atacados por uma aranha surucucu, que saltou de dentro de seu buraco, que estava tão cheio e coberto por folhas, que não dava para vermos que aquela aranha enorme estava bem ali pertinho de nós, e já nos mirando de dentro de seu buraco, enquanto cacetávamos a cabeça da sucuriju enorme que tinha engolido nosso cachorro.

Estávamos caçando atrás na mata atrás de casa, tínhamos inclusive avisado seu Rosado, sim este era seu nome, que caçaríamos em suas matas, como era de costume, ele pediu que lembrássemos dele quando estivéssemos cuidando das caças, que no caso, era limpando e cortando, no girau, quando sempre se separava metade de todas as caças para o dono da mata, e também não podíamos esquecer dos cachorros, pois estes também precisam comer do fruto de sua caçada.

Nossos cachorros eram treinados para caçar, cutia, paca, tatu e veado, mas o Marrom, o cachorro que estava sendo engolido pela sucuriju, era treinado para caçar qualquer tipo de caça, e era terrível, pois quando pecava o rastro de qualquer caça, e depois que ele achava o rastro e encontrava o bicho, só parava de correr atrás da caça quando ela encovava, ou seja, e entrava em um buraco no chão. Aí, era só a gente cercar a porta do buraco, e procurar em volta para ver se não havia uma segundo saída, e se houvesse, tampávamos para encurralar o animal, então, cavávamos até chegarmos na caça e matá-la.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers