BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

O VELHO DA MATA II

      Ainda quando estávamos nos preparando para ir pro Moura, a Solange tinha acordado estressada, e eu, de mal humor, e não trocamos uma palavra sequer. Quando isso acontecia, a briga entre ela e eu era certa. Tínhamos momentos maravilhosos convivendo juntas. Mas na maioria das vezes era guerra acirrada.

       Só alguns anos em Parintins e mais uns ali em Barreirinha não deram muito resultado em nosso convívio. Não havia amor de mãe da parte dela por mim nem amor de filho de minha parte por ela. Tinha vezes que parecíamos duas estranhas de tanto que a gente se irritava uma com a outra.

       Assim que acordamos, já nos estranhamos de cara, antes mesmo do bom dia, e a discussão já se travou entre nós duas. Bastou olharmos uma pra outra, que já saiu faísca de nossos olhos. Era sempre assim, tinha dias que até a vizinha que se chamava Maria, entrava pra acalmar nossos ímpetos, se não ela, era capaz da gente se pegar no tapa. Ela não estava acostumada com filho, e eu não a via como mãe, e sim como irmã.

       Arrumamos as coisas todas sem trocarmos uma só palavra. Era melhor assim, nenhuma das duas queria ouvir a voz uma da outra. Só a fato dela passar perto de mim já irritava e vice versa. Aquilo, nem o Railton ousava falar conosco quando estávamos assim.

       O Railton, o marido dela nessa época, não gostava muito de mim. Nem  eu dele. Tinha alguma coisa de falso e demoníaco nele, que fazia com que meus olhos sempre  o rejeitassem. E...no meio da nossa discussão, ele falou a ela que me deixasse já que eu não queria ir com eles viajar num rabetinha, um casco com um motor de popa com três palhetas, que fazia uma viajem de doze horas no remo em quatro horas apenas.

      Mas, minha intuição estava me dizendo para que eu não fosse com eles, pois um temporal medonho estava a caminho, e iria pegá-los no meio do caminho. A Solange não acreditou em mim, nem o Railton. Fiquei preocupada com minhas duas irmãzinhas que também iriam viajar naquele rabetinha minúsculo.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers