BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

JAMBUI ORA PRO NOBIS

No Amazonas se come jambui no pato, no bodó, no tamuatá, aliás... com tudo jambui é bom, sozinho numa cuia cheia melhor ainda, a planta mais gostosa do Estado. Cítrica, fibrosamente legatinada devido ao tempo de cozimento no tucupi durantes horas com fogo no fundo da panela. O tempo sempre faz tudo ficar melhor, inclusive o vinho, o tucupi da mandioca, o caldo de mandioca, só caldo de peixe não pode demorar se não ele esfarela todo, a carne dele é bom mais durinha. Jambuí bom dá na lama, debaixo do girau que só se lava roupa não serve de cama, bodó também gosta de lamaçal, é preciso enfiar a mão no buraco pra pegar esse peixe que quase não morde anzol, pelo menos eu nunca vi, é difícil de cair na malhadeira. Ora Pro Nobis dá até na pedra, sobe em laranjeira, fica delicioso com feijão-preto que no Amazonas só na feijoada, na casa da Mãe-Márcia esses dias comi com frango guizado, meia panela acabou em dois prato, Neguinho comeu pra lá! Edilene hoje fez espinafre refogado com frango frito muito acebolado, o feijão tava quentinho, arroz solto branquinho, mas, eu queria uma traíra sabrecada no fogo de fogão a lenha, daquelas secas e defumadas amarradas no palha do teto em cima do fogão, aquela mais preta de fumaça é mais gostosa acompanhada com pirão de açaí apanhado no pé da casa, aquele que caboclo sobe na árvore pra buscar na coxa, sem deixar o cacho cair no chão, e ainda traz o terçado no dente, sem usá pêcunha pra subir. Em Minas Gerais também tem taioba, a Edilene refolga no alho e deixa cozinhá. Taioba tem que saber fazer. Tem gente que não sabe. É tempero da cozinha do interior das montanhas, como vinagre no Amazonas é mato. Comida com mato é sempre boa. Jiquiri é uma delícia, a folha refolgada ou a fruta cozida com molho de limão capeta e filé de merluza frito, untado dom farinha de rosca e pimenta do reino. Sulamba cozida com muita cicória, alfavaca,uns dois moios de cebola de palha, dois de coentro, pimenta-do-reino, alho e tomante e jurubeba brabo, aquele que também dá no mato, bem lá no final do campo, que a gente no interior do Amazonas chama de beirada. Em Minas a couve é bem fininha, não importa se não tem feijoada, na carne moída vem bem acompanhada, no Amazonas na sopa rasgada com talo, já a Edilene corta bem redondinho, refolga e faz farofa, o buxo da galinha no Amazonas minha vó vira com talo de palha e também faz farofa, meu avô gosta da de camarão com linguiça, cebola, tomate, cheiro-verde e farinha bem amarelinha e do bago graúdo, farofa, no casco da tracajá, tartaruga assadas também se faz farofa com a carne que fica grudada, depois que o casco é quebrado e tampa é tirada, pra poder se corta os pedaço e a farofa no casco sê preparada, acompanhamento que toma um lugar do arroz que aqui em Minas acompanha o churrasco.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers