BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

A CASA MAL ASSOMBRADA XXV

                     A COR LILAS.

     Das outras vértebras da coluna dele, saía uma cor Lilas reluzente, que emitia raios de todas as cores que se misturavam e formavam novas cores de beleza inigualáveis.

     Aquilo era lindo. Quase esqueci-me de que eram produzidas por um espírito que queria acabar comigo. Sou assim, meio burra pra perceber a maldade.

     Por um pequeno momento vi beleza naquele espírito, e desejei olhar mais aquelas luzes tão diferentes e lindas.

       –Andrêvasa Nonsonéra Ambravisomamom. -Falou-me uma voz tão suave, que deixou-me tonta.

       Meus olhos começaram a escurecer.

       –Dorme o sono da morte. Será rápido, é a ordem! -Disse babando aquele Espírito, que desapareceu do chão, e em um milésimo de segundo apareceu no teto do quarto, com os olhos vermelhos como brasa já fitados em mim.

       Sumiu em seguida, e apareceu atrás de mim, cravando as unhas enormes nos meus ombros, que me fez sentir a carne sendo rasgada. Uma dor aguda como agulha, tomou conta de todo meu corpo. Não tive forças nem pra grita.

       Meu corpo foi arremessado contra o chão, e os cavacos de madeira do chão que foi quebrado com o pé da cama, entraram por toda a parte da frente do meu corpo.

       –E agora o que você vai fazer? E desapareceu e apareceu no teto do quarto já olhando-me bem dentro dos olhos, e pareciam emitir fogo de tão vermelhos que eram seus olhos.

       Mais uma vez ele cravou de novo as unhas nos meus ombros, fazendo-me novamente sentir a carne ser rasgada. Uma dor insuportável atravessou meu corpo.

       Ele disferiu outro ataque sobre mim, virei-me rapidamente e minhas mão foram atravessadas pelas suas garras enormes e grudadas acima da minha cabeça na parede do quarto.

       Escorreu sangue das minhas mãos dentro dos meus olhos, do nariz, da boca. Meu rosto ficou todo lavado de sangue que saíam buracos feito pela sua garra.

       Eu tinha vacilado enquanto olhei deslumbrada a beleza das luzes que saíam de sua coluna, que me esqueci que ele era totalmente mal.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers