BOAS VINDAS!

Obrigada por visitar meu blog! Espero que tenha gostado! Dúvidas e comentários serão respondidos com atenção. Para ler todos os posts de uma história, é só clicar nos marcadores!



YAMÊ ARAM

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A CASA MAL ASSOMBRADA XIV

        O RENASCIMENTO

         Minha pequena irmanzinha de luz, tornou-se do tamanho de uma ameixa. Sua luz continuava a brilhar, e entrou dentro da minha boca. Imediatamente, eu vi meu corpo esmagado naquela escuridão.

          Havia pedaços de mim por todo aquele chão escuro. Não havia sangue. E a minha carne tinha transformado-se em cinza. Faiscas de brasas começaram a acender nas cinzas do meu corpo. E foram aumentando, até que todos os pedaços do meu corpo tornaram-se brasas acesas e flamejantes.

         Quando todos os pedaços pegaram fogo, eu fui sugada pra dentro das chamas. Quando entrei no fogo, grandes assas flamejantes surgiram em mim. Elas eram enormes. E ardiam continuamente. Comecei a voar dentro daquele fogo que não me consumia. O fogo ia pra cima, e eu decidi segui-lo.

          Podia sentir minha irmã dentro de mim. Podia ouvir sua voz infantil conversando comigo. Aquilo me dava mais ânimo. Bati minhas asas de fogo com mais forças. Uma grande escuridão estava bem a minha frente. Eu sabia que era a prisão enterna. Voei com mais velocidade. Uma fúria tomou conta do meu espírito. Podia sentir o fogo da fúria. Comecei a rodopiar com aquelas asas de fogo, e um grande furacão de fogo formou-se em volta de mim.

          Atingi aquela escuridão com uma fúria infernal. Pudi senti-la despedaçando-se à minha frente. Aumentei ainda mais as rodopiadas, e o furação dobrou de tamanho. Uma explosão grandiosa aconteceu quando o furacão de fogo atravessou aquela escuridão, que despedaçando-se toda, virou poeira de fumaça negra diante dos meus olhos.

          Eu estava novamente no caminho morto, onde estivera antes de ser morta e presa por aquele Vulto.

          –Graças a Deus eu saí! -Exclamei com muita alegria e gratidão.

          Quando olhei para frente, o Vulto ainda estava lá.

          -Como você conseguiu sair criança? -Perguntou o Vulto assustado.

          Minha fúria era tão grande, que nem esperei para respondê-lo, e bati minhas asas de fogo voando com toda força em sua direção.

Google+ Badge

Google+ Followers

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Seguidores

Follow by Email

Google+ Followers